Compartilhe, , Google Plus, Pinterest,

Print

Posted in:

Vivendo sob julgamentos e maniqueísmos

Por Lucas Souza Dorta

© by Imagem da Internet
13551073_910357832426262_2032173278_n
Twitter: @dorta_lucas Facebook: Lucas Dorta/ lucas.dorta.1 WhatsApp: (14) 98168-1283

As redes sociais trouxeram uma grande mudança na vida das pessoas e transformaram radicalmente a maneira de ver os acontecimentos, muita gente, ao acordar, vai logo checar as novidades do Facebook, Instagram, Twitter dentre outras opções para socialização virtual. Talvez, para alguns, olhar redes sociais seja a primeira atividade do dia. Todas essas novidades tecnológicas nos deixaram mais expostos para a sociedade, através de uma stalkeada é possível saber o seu time, onde você trabalha, quais programas você gosta, onde você estuda, o seu gosto musical preferido, onde você frequenta, o que você bebe, quem são seus amigos, enfim, tudo ou quase tudo da sua vida.

Bom, essa socialização virtual trouxe lados positivos e negativos, como quase tudo na vida, até porque não gosto de discussões maniqueístas e polarizadas. Mas se tem um lado negativo nessa loucura tecnológica é que o ato de julgar as pessoas e cuidar da vida alheia se tornou algo corriqueiro e que se expande cada vez mais, nós mesmos já podemos ter feito isso, mas não percebemos porque vem se tornando algo comum nesse mundo moderno de moralistões , machões e falsos revolucionários da sociedade real e virtual.

facebook juizes
Facebook e seus juízes – Imagem da internet

A sociedade está se transformando em juízes cagadores de regras onde tentam padronizar e julgar as pessoas devido aos seus gostos políticos, musicais, estilo de vida, local que frequenta, jogo que ele gosta, preferência de lazer, enfim, tudo é julgado independentemente da forma que é levada a vida. Querem pessoas iguais, que pensam de uma única forma, como se houvesse a necessidade que um chip programado fosse implantado no nosso cérebro para ficarmos iguais ou repetirmos coisas que nem um papagaio, estamos perdendo a capacidade de ser uma metamorfose ambulante para termos a velha opinião formada sobre tudo.

E o pior é que boa parte das discussões que geram o julgamento são vazias, maniqueístas e polarizadas, como se a pessoa não pudesse gostar de A e B ao mesmo tempo, ou gostar do X sem ter ódio pelo Y, parece que temos que comprar uma caixa de ideias prontas e usar elas a ferro e fogo, o meio termo está acabando, não se pode fazer mais nada que você será esteriotipado e vítima dos juízes da sociedade. Existem inúmeros exemplos de julgamentos, principalmente em cidades pequenas, mas preferi citar redes sociais por ser algo que ocupa boa parte do nosso tempo, chegou a hora de citar um pouco sobre esses casos. Afinal ta na hora de defender o que disse no texto né?

Um adolescente é marcado em uma foto de festa ou confraternização com os amigos, se a imagem tiver bebida alcoólica será uma grande chance dos chatos julgarem essas pessoas como bagunceiras, drogadas, alcoolizadas, escórias da sociedade, vagabundos, culpados pelos problemas do país, enfim, tudo, usei expressões exageradas, mas não são tão impossíveis que alguém utilize elas para julgamento. Como se a pessoa não pudesse ter seu momento de diversão e lazer e fossem obrigadas a serem santinhos 24 horas e 7 dias da semana. Também tem o julgamento positivo dessas pessoas, mas com isso acabam tentando impor um pensamento de que apenas frequentar festas e experimentar bebidas com amigos faz a pessoa feliz, é aí que aqueles mais caseiros são julgados por não optarem por esse estilo de vida, logo esses caras que não curtem festa passam a ser esteriotipados como infelizes. E se a pessoa se diverte de outro jeito, que não seja farra, pinga e foguete? Mas e se ela gosta de tomar a cervejinha dele e curtir uma festa ? Problema é de cada um, temos que aceitar e nos preocuparmos e se divertir do nosso jeito ao invés de impor o que o outro deve gostar. Mas também eu posso gostar de ambas as formas de lazer não é mesmo?

Política é um assuntos que está dando o que falar, e vai dar muuuito o que falar esse ano, essa vem sendo uma das principais formas de julgamento nas redes sociais, se você é vermelho já te taxam de burro, vagabundo, mortadela, sustentado pelo governo, comunista, se tu é contra o vermelho você já é um burguês, fascista, coxinha que odeia os pobres, e essa briga de coxinha x mortadela vai dando uma indigestão no país,. Você é julgado simplesmente por opções políticas, como se só um lado fosse certo ou errado, um maniqueísmo vazio que não leva a lugar nenhum. Parece que não se pode ter concordância e discordância de ambos, qualquer que seja a posição política iremos para o julgamento.

Recentemente ficou disponível o jogo Pokémon Go no Brasil. Adivinha o que aconteceu ? Mais julgamentos e maniqueísmos. Se a pessoa gosta taxam ela de nerd, despreocupada com a vida. Se ela não gostou já pode ser taxada de preocupada com o país e a sociedade, ou simplesmente pode ser julgada como um véio chato cuzão que não gosta de tecnologia. Porra, é direito da pessoa gostar ou não desde que não encha o saco dos outros. A pessoa pode jogar num momento de lazer, mas não significa que ela seja despreocupada com tudo, e quem não gosta não é um chato ou cuzão que tem raiva da tecnologia, é só porque ela não gosta.
Suponhamos agora dois tipos de pessoa: o descoladão que sai com várias mulheres e o cara mais tímido que tem mais dificuldades para abordar a garota.

O descoladão poderá ser julgado como o comedor da turma, o mais foda do grupo, o garoto que todo adolescente deve ser ou simplesmente ser para outros tipos de pessoa apenas um mala biscateiro que nunca terá uma mulher de verdade e se importa mais com quantidade do que qualidade. Já o tímido pode ser julgado como o infeliz que não ficará nunca com ninguém e morrerá sozinho ou para alguns será visto como uma pessoa certinha, pra casar, homem sério, que não gosta de bagunça, etc. Como se o fato da pessoa ser tímida ou comunicativa definisse o caráter e ideias dela.

Na música há julgamentos de todos os tipos, se curti um Reggae relacionam com maconha, se ouve rock poderá ser um louco drogado ou um intelectual que ouve músicas de verdade que buscam criticar o país, se curte um rap será um “favelado” ou um cara intelectual que está ouvindo letras de cunho social, enfim, os mais variados ritmos que escutarmos poderemos ser julgados.
Se ficarmos em casa de fim de semana nos julgam como sem amigos e infelizes, se irmos para muitas festas nos julgam como adolescentes que só pensam em bagunça, se postamos coisas relacionadas a felicidade podemos ser criticados/ invejados por demonstrar a alegria, se alguém posta alguma coisa relacionada a tristeza já é considerada depressiva. Como se não vivêssemos momentos bons e ruins para querer compartilhar.

O julgamento e o maniqueísmo é algo natural que sempre vamos passar no cotidiano, seja ele bom ou ruim, o negócio é viver a vida do nosso jeito sem se preocupar com que os outros pensam ou falam de você. Também devemos tomar cuidado para não julgar ninguém de forma excessiva, podemos ter uma opinião sobre o que é bom, mas nem por isso devemos impor o que é certo de fazer, comer, beber, ouvir, cantar, por mais que seja chato julgar, sempre vamos fazer isso mesmo que de uma forma inconsciente, cabe a cada um respeitar as diferenças e escolhas das pessoas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *