O melhor de Jaú e região em um só lugar! Desde 1999

Categoria: ,

Personagens de Jahu: Criolando, o Anjo da Morte

Jauclick

Jauclick

Postagens assinadas como Jauclick fazem parte de conteúdos publicados pela nossa redação
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Fizemos um apanhado de conteúdos sobre a história desse grande personagem das décadas de 60 a 80. Confira:

(Texto – Andreza Sega)

Nascido em Jaú por volta de 1940, Coriolando Rodrigues de Lima era uma pessoa simples, de família igualmente modesta. Conta-se que ele possuía dons sobrenaturais, e que de sua adolescência para frente começou a “prever” a morte de pessoas pela cidade.

Coriolando Rodrigues de Lima, o CRIOLANDO
Coriolando Rodrigues de Lima, o CRIOLANDO

Conhecido como “Criolando”, ele possuía um irmão mais novo, que junto com seu pai, era o responsável por prover o sustento da casa. Mas o jovem, por sua vez, não era dotado de plenas faculdades mentais.

“Minha mãe dizia que ele possuía algum problema de cabeça. Ela conhecia o Benedito, irmão mais novo do Criolando, e dizia que ambos eram bons rapazes, mas que o Criolando não era muito bem da cabeça”, diz a aposentada Silvana Siqueira, que conta que sua mãe era uma das vizinhas dessa figura tão intrigante.

Criolando gostava de passear pela cidade montado em seu cavalo Boneca, feito de madeira e com crina de restos de tecido colorido. “As crianças zombavam com ele, porque ele já era adulto e andava em um cavalo de madeira pela cidade”, diz Silvana.

A aposentada diz que por toda sua vida ouviu histórias sobre Criolando e que sempre diziam que ele era pacífico, embora agisse de forma incomum.

Sempre que alguém morria na cidade, ele saía de casa triste e pedia aos vizinhos que lhe doassem flores para que ele levasse a família do morto em sinal de pesar”, – comenta

coriolando
Túmulo de Criolando no Cemitério Municipal de Jahu: Foi construído como pagamento de uma promessa: A pessoa prometeu a construção de um túmulo/capela, caso Criolando salvasse a vida de uma criança que quase se afogou.

Segundo ela, muitas pessoas receberam as visitas dele e se assustava ao vê-lo. “Mas ele sempre acertava, até antes de os parentes da pessoa falecida ver que alguém havia morrido”.

Porém, após a morte de seus pais, seu irmão, que trabalhava como farmacêutico, mudou-se para Santo André levando junto seu irmão. Lá, ele teve tuberculose e foi internado às pressas em uma instituição pública. Porém, por não poder pagar um tratamento melhor, Criolando veio a falecer no dia 07 de setembro de 1981, em Santo André, onde foi enterrado.

Embora distante, não foi esquecido pela população jauense. E no mesmo ano, o prefeito Alfeu Fabris pediu autorização a Benedito para trazer o corpo de Criolando para Jaú. Ele foi enterrado em uma cova modesta, porém perpétua. Boa parte da cidade estava presente no enterro simbólico feito em sua homenagem.

Após seu enterro, a fama de milagreiro começou a crescer. Muitos jauenses, como a própria Silvana, começaram a recorrer a ilustre figura em momentos de aperto. “Meu filho estava muito doente e eu rezei com toda minha fé ao Criolando. Ele era uma boa alma e eu já havia ouvido falar que ele era milagreiro”, explica.

Segundo ela, seu filho melhorou em pouco tempo. “Desde então, eu venho no dia de finados depositar uma flor e um cavalinho de madeira em agradecimento. Para mim, ele é um santo, não importa o que dissessem sobre ele”.

A capela em homenagem ao Coriolando apenas seria construída em 2006, em pagamento de uma promessa a ele. Outra justa homenagem foi dar-lhe o nome do velório municipal, já que enquanto viveu em Jaú, ele sempre esteve presente no local para esboçar seus sentimentos pelos parentes de seus “amiguinhos” falecidos.


Abaixo segue vídeo-documentário feito pelas OFICINAS KINOARTE 
Direção e Roteiro: Alexandre Palácio, Matheus Leonel, Ricardo Fernandes Rodrigues.

Filmado na cidade de Jaú (SP) – Brasil

EM DESTAQUE