O melhor de Jaú e região em um só lugar! Desde 1999

Categoria: ,

Escoliose: A importância de detectar cedo o problema

Jauclick

Jauclick

Postagens assinadas como Jauclick fazem parte de conteúdos publicados pela nossa redação
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

escoliose-imagem-003A escoliose é uma das patologias mais comuns em uma clínica de fisioterapia.

Por definição esta patologia é um desvio lateral da coluna acompanhado da rotação dos pontos vertebrais e toda a vértebra podendo ser observada ao olharmos a coluna vertebral de frente.

No início, a escoliose raramente envolve dor assim, muitas vezes pode passar despercebida.

Dra. SIRLEI MORELLI SACCARDO - CREFITO: 3/17655F Dra. MIRELLE DE MORAES CAPARROZ MACHADO - CREFITO:3/29097F Dr. CARLOS EDUARDO PENGO MACHADO - CREFITO:3/30794F
Dra. SIRLEI MORELLI SACCARDO – CREFITO: 3/17655F
Dra. MIRELLE DE MORAES CAPARROZ MACHADO – CREFITO:3/29097F
Dr. CARLOS EDUARDO PENGO MACHADO – CREFITO:3/30794F

As curvas patológicas se apresentam em franco desenvolvimento e agravamento durante os surtos de crescimento dos jovens (estirões). Assim o diagnóstico precoce é de extrema importância, portanto os pais e professores devem estar atentos à postura da criança. Devemos observar a criança/adolescente de frente e de costas e verificar se existe diferença na altura dos ombros e na cintura o que pode ser um sinal de escoliose.

A progressão da escoliose afeta gravemente a qualidade de vida do seu portador, causando deformidades em costelas, caixa torácica, cintura escapular e pélvica.

É na fase de crescimento que devemos dar total atenção, pois é nela que se garante resultados no tratamento. Portanto fiquemos atentos as nossas crianças e meninas particularmente que apresentam fase de crescimento mais curta que os meninos. O ideal é que se procure um fisioterapeuta antes da menstruação para avaliar e tratar a escoliose. Nos meninos temos toda a fase de crescimento que vai até os 18 anos, mas se detectada antes do estirão, melhor!

Geralmente, a escoliose acomete meninas com frequência de 5 a 8 vezes maior do que meninos.

O problema não tem causa conhecida e aparece em crianças saudáveis, causando alterações físicas evidentes.

EM DESTAQUE