O melhor de Jaú e região em um só lugar! Desde 1999

Categoria: , ,

Assassin’s Creed é bom, o que pra franquia de games no cinema já é um começo

Jauclick

Jauclick

Postagens assinadas como Jauclick fazem parte de conteúdos publicados pela nossa redação
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Nota: 3,0

Por Jeferson Miranda

(Nota de 0 a 5)

Quando sentei na poltrona do cinema para assistir Assassin’s Creed, como amante de jogos e games, eu queria apenas não me decepcionar novamente, uma vez que o retrospecto de outros jogos levados para as telonas é na sua maioria das vezes sofrível.

Inspirado no popular jogo de vídeo game sobre um assassino que viaja no tempo, os diretores Kurzel e Lesslie (MacBeth) são bastante centrados e sem grandes pretensões – auxiliado pelos co-roteiristas Adam Cooper e Bill Collage (de Exodus: Deuses e Reis) apresentam um roteiro que dá conta da história básica que os gamers estão acostumados, sem confundir os que estão sendo inseridos agora na franquia. Um bom feijão com arroz já é melhor que muito o quê já antecedeu. Na base de tudo está o ancestral conflito entre a heroica Irmandade dos Assassinos e os “malvados” Cavaleiros Templários na luta pela posse e uso de uma relíquia religiosa, “a Maçã do Éden”, que pode controlar a vontade e o livre arbítrio humano.

Embora o filme, como os jogos, é claramente pouco mais do que lutar, correr, saltar, socar e escalar paredes – tudo o que parkour oferece a seus apreciadores – o herói do filme, Cal (Michael Fassbender), um assassino condenado a morte, é o último descendente na linhagem do credo de assassinos do século XV, que juraram proteger a “Maçã do Éden”. Um dia depois de ser executado numa prisão no Texas, Cal acorda para se encontrar em uma misteriosa instalação em Madri, onde os cientistas estão prestes a conectá-lo a algo chamado Animus, transportando-o – ou melhor, sua consciência – de volta à Inquisição Espanhola – no corpo de seu antepassado, Aguilar.

Partindo de uma premissa pronta para o sucesso, a direção é muito feliz em não supervalorizar a trama e em conseguir fazer as conexões entre o passado e o presente de maneira simples sem que nos percamos nas constantes viagens. O roteiro circular peca por ser repetitivo, mas não compromete a obra como um todo. Michael Fassbender consegue dar as intensidades necessárias em seus dois personagens (Cal/Aguilar), mas é pouco ajudado pela interpretação de Marion Cotillard (Sofia Rikkin) que sem profundidade e extremamente uniforme, acaba por nos oferecer um personagem que se confunde em sua verdadeira intensão. Neste quesito, entretanto, o lamento fica para o desperdício de Jeremy Irons, que apesar de criar um vilão elegante, se mostra descartável dentro da trama. O grande “calcanhar de Aquiles” são as cenas de ação, uma vez que o diretor Kurzel opta uma câmera nervosa com o uso do obturador baixo o que dificulta a compreensão da ação e torna os efeitos de luta repetitivos e cansativos, causando em alguns momentos estranheza. Neste aspecto o 3D nada acrescenta.

“Assassin’s Creed” é bom, o que para uma franquia de games no cinema já é bom. Kurzel e a Ubisoft – produtora do game e do filme – certamente conhecem o seu caminho em torno do sucesso. Ao final temos um entretenimento coerente o suficiente para valer o valor do ingresso pago.

Confira o Trailler:

EM DESTAQUE