O melhor de Jaú e região em um só lugar! Desde 1999

Categoria: ,

Logan é puro adamantium na veia

Jauclick

Jauclick

Postagens assinadas como Jauclick fazem parte de conteúdos publicados pela nossa redação
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Nota: 5,0

Por Jeferson Miranda

(Nota de 0 a 5)

Ao final de “Logan” a sensação que me veio a mente foi que eu havia assistido um “Mad Max” e não mais um filme da franquia “X-Men”, pelo menos o que acho é que esta sequencia é apenas nominalmente, uma parte. Definido em 2029 Texas, onde o mutante Logan, codinome Wolverine-Hugh Jackman, é apenas sombra do que fora um dia, envelhecido e grisalho, tornou-se um motorista de limusine com dores nas “juntas”.

O novo filme é sombrio, escuro e violento. E por seu tom dramático é mais cruel que “Deadpool”. “Logan” entrega seu derramamento sangue de tal forma que nos faz questionar o por que tivemos que esperar 17 anos para ver Wolverine de verdade nas telas.

Em 2029 os mutantes se tornaram escassos e Logan tornou-se o enfermeiro de um professor Charles Xavier (Patrick Stewart), quase centenário, contando com a ajuda do mutante Caliban (Stephen Merchant). Sua vida de amargura é revirada quando logan conhece uma menina de estranhos poderes (Dafne Keen). Laura, como é chamada, está sendo caçada por uma gangue de cyborgs conhecida como Carniceiros, liderada por Donald Pierce (Boyd Holbrook).

“Logan”, em outras palavras, é menos uma sequência e mais um ponto final. Claro que os ganchos estão ali e podem trazer bons frutos no futuro. Mas não tem como não se lamentar ao saber que é o último filme com Hugh Jackman encarnando-o.

O clímax deste conto longo, terrível e surpreendentemente gratificante, coloca uma marca de pontuação triste no conto mitológico que os fãs se acostumaram seguir, ainda que os anteriores não tenham realmente valido a pena, não tem como não sair desta season finale sem um nó na garganta.

EM DESTAQUE

Letalidade da doença triplicou este ano em relação a 2020
Marolla hoje trabalha no Amaral Carvalho, entidade que vai ser beneficiada com as vendas das camisas