O melhor de Jaú e região em um só lugar! Desde 1999

Categoria: , , ,

Apesar da queda, Jaú ultrapassa 400 mortes pela Covid

Números apontam desaceleração da pandemia após alta trágica
Diário do Jahu

Diário do Jahu

DDJ (Diário do Jahu), nosso parceiro de conteúdo.
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Com mais dois óbitos confirmados na sexta (09/04), Jaú ultrapassou 400 mortes causadas pela Covid-19.

Os números ainda assustam, mas o comparativo com o que ocorreu no começo de 2021 traz esperança: há uma clara desaceleração no avanço da pandemia no município.

O histórico mostra que o primeiro óbito pela doença na cidade foi registrado em 07/05 do ano passado.

Foram necessários quase oito meses para atingir a primeira centena, em 06/01 deste ano. A partir daí, já com a circulação da variante brasileira do coronavírus, houve uma explosão de casos fatais.

A Prefeitura confirmou 200 mortes em praticamente um mês, já no dia 08/02. O pior estava por vir: mais 19 dias e outros 100 moradores de Jaú perderam a vida para a Covid até 27/02.

Isso significa uma média superior a cinco óbitos ao dia e representou o momento mais trágico para nossa população desde o início da pandemia.

De lá para cá, se passaram 41 dias para a Prefeitura confirmar mais 100 mortes e chegar a um total de 400, ou seja, uma média diária de 2,4 – menos da metade do período anterior. É um demonstrativo claro de que a situação está mais controlada, embora ainda seja grave.

O DDJ e o Jauclick se solidarizam a todas as famílias que perderam alguém querido ao longo desse período.

Ocupação hospitalar

No ápice do contágio e dos casos fatais de Covid em Jaú, a Santa Casa chegou a ter quase 150 pacientes internados com a doença, registrando superlotação. O colapso da instituição foi declarado pela própria equipe médica, em comunicado enviado às autoridades de saúde estaduais.

O último boletim divulgado pelo hospital aponta para 75 pacientes internados, sendo 35 na enfermaria (casos mais leves) e outros 37 na UTI (mais graves). Não há mais o registro de filas para internação, como ocorreu principalmente em fevereiro.

Também houve redução da demanda no Amaral Carvalho, que atualmente atende nove na enfermaria e oito na Terapia Intensiva. Já o Centro de Combate à Covid-19, também do Amaral, tem atendido sobretudo pacientes da região encaminhados pela Central de Regulação de Vagas.

EM DESTAQUE