Blog do Moraes

Charlie Watts – Ídolo do Rock há 60 anos

Charlie Watts morreu recentemente, aos 80 anos.

Nesta semana, o mundo do rock ´n roll perdeu um dos Stones – o emblemático baterista Charlie Watts.

Aos 80 anos de idade, Charlie vai para o andar de cima prestes a banda completar 60 anos de vida em 2.022.  Charlie Watts é o segundo Stones que faleceu. O primeiro foi Brian Jones em julho de 1969, precocemente com 27 anos. 

O único show do Stones que presenciei foi em 2.016 em São Paulo no estádio do Morumbi.  Foi demais. Um dos detalhes que coloquei muito reparo foi a benevolência que os quatro Stones – Mick – Keith – Ron – Charlie, tratavam o público e os músicos de apoio. Como se fossem integrantes mesmo. 

Voltando à morte de Charlie, o mundo inteiro falou, repercutiu, lamentou. Foram 59 anos de Rolling Stones.  Diferente do ídolo do esporte, que tem uma vida profissional ativa restrita,  o ator ou cantor, o grupo tem uma vida ativa enorme na vida das pessoas.  Artistas ou grupos como Stones, Kiss, AC DC, David Gilmour, Roger Waters, Paul McCartney ou aqui no Brasil, Roberto Carlos, Erasmos Carlos, Gilberto Gil, Caetano, Chico, Ney Matogrosso, Jorge Benjor etcc estão embalando a trilha sonora das pessoas há 60 50 anos na atividade artística. Acompanha a vida inteira de alguém e ainda fazendo shows ou gravando etc.

Tarcísio Meira, que nos deixou no último dia 12, aos 85 anos, tinha como  seu último trabalho a novela Orgulho e Paixão há apenas três anos. Foi protagonista de novelas desde começo dos anos 60. Foi o primeiro galã da primeira novela diária da televisão brasileira em 1.963.  Há 58 anos atrás. Tarcisião faz parte da vida da família brasileira há três gerações?  Tal qual Rolling Stones que protagoniza o  rock ´n roll mundial desde 1.962. 

Aqui no Brasil, Caetano Veloso está saindo para turnê na Europa. Gilberto Gil igual. Ambos com 79 anos.  Ney Matogrosso completou 80 anos neste mês participando de programa de televisão. E por aí vai… Bandas de rock dos anos 80 como Titãs, Barão e Paralamas estão completando 40 anos de carreira. Eu, com 45, acompanho eles no mínimo por 30 anos. 

Imagina você ser ídolo por 30, 40, 50  e meu 60 anos e reforço na atividade! Tem que ter muita competência. Resta saber se esses novos ídolos conseguem segurar a carreira por tanto tempo e não virar matéria de “Por onde anda” em uma revista de entretenimento ou atração trash. É um liame complicado. 

E quando se morre um Stones então é uma figura tão emblemática como Charlie Watts, com 59 anos de banda, a repercussão é gigante. 

Veja o que alguns músicos e fãs da cidade e região falaram de Charlie Watts:

Fernando Lazzari – Vocalista e Guitarrista – Griswolds

Fui ver os Stones no estádio do Pacaembu em 1995 na turnê do Voodoo Lounge. Era a primeira vez que eles estavam fazendo shows no Brasil e a expectativa era imensa. 

Na apresentação da banda, a surpresa: o mais aplaudido, o mais ovacionado foi o cara das baquetas, Charlie Watts. Inesquecível!

Luciano Penedo – Vocalista e guitarrista – Gato Carteiro

Charlie Watts.  O que dizer do mais elegante dos rock stars?

Quieto, reservado, ele ditou com precisão e elegância o ritmo dos Stones durante todas essas décadas. Amante do jazz, trouxe para o rock um andamento único, sofisticado e certeiro. Charlie jogava pro time! Foi como aquele zagueiro seguro e confiável que, ainda por cima, ajudava nos lançamentos e cruzamentos certeiros para que Richards e Jagger marcassem seus gols.

Vi Watts ao vivo uma vez, e me sinto honrado em estar no mesmo CEP que esse gigante, mesmo que por algumas horas. No início de Honky Tonk Women meu coração disparou mas logo manteve o ritmo normal…afinal é impossível perder o tempo ouvindo Charlie tocar.

Satisfação Charlie. Obrigado!

Rafael Giannini – Vocalista e Baixista – A Benção

Charlie Watts se foi…O dono/inventor da batida mais charmosa do rock, nos deixou.

E o pior de tudo, nos deixou com aquela triste certeza de que, dificilmente os Stones, talvez a única banda que soa até hoje tão bem ou até melhor do que nos áureos tempos, vai ter aquele pique maravilhoso, quente, alegre e realmente único que emanava da bateria de Charlie Watts!

Tive a sorte de assistir Os Rolling Stones em duas ocasiões. Uma melhor que a outra! Apoteóticas!

As músicas ficam, pra nossa sorte. Mas acredito que os shows, certamente serão um bocado mais tristes. E tristeza não combina com os Stones…

R.I.P Charlie Watts

Jozrael Rezende – Professor e Pesquisador – Fatec

Discreto, estiloso e dono de uma pegada leve e ao mesmo tempo forte, levou o “suingado” do jazz para o blues e pro rock’n’roll com sua bateria de poucas peças. Sua maneira de tocar era a comprovação que menos é mais. Como pode morrer um imortal? O Stone mais elegante… 

O que será de nós sem ele comandando as baquetas da maior banda de rock’n’roll de todos os tempos?

Norberto Rock ´n Roll – Contrabaixista Dr. Antonio – Matahare – Artigo 54

Charlie Watts o eterno baterista dos Rolling Stones deixou um legado de quase seis décadas e que jamais vai desaparecer.

Em uma entrevista o Keith Richards disse o seguinte: todos pensam que os Stones são Mick e Keith, mas se Charlie não estivesse fazendo o que faz na bateria isso não seria verdade, porque Charlie Watts é o Stones. Em sua biografia Keith cita varias vezes o Charlie o quanto ele era importante para os Stones, a forma dele tocar e encaixar a bateria nas canções, ou seja o quanto ele foi importante para o estilo do rock´n´roll criado pelos Stones.

Existe uma coisa que eu sempre penso e converso com alguns músicos que o mais importante não é apenas a técnica o talento o máximo de conhecimento para vc tocar seu instrumento, mas sim entender o que a música que vc toca nessecita, que são as notas a batida o arranjo de um todo, e de todos na banda e isso Charlie Watts sempre fez com muita excelência.

Vale lembrar que o Charlie antes de tocar bateria tentou tocar banjo. Em uma entrevista 20 anos atrás disse que tocar bateria é a única coisa que me interessa, o resto me faz passar vergonha.

Viva Charlie Watts, viva os Stones e viva o Rock`n`Roll.

Sergio Capps – Empresário, Músico e Compositor do clássico “Cores do Amor”

“Você deixaria sua filha se casar com um Rolling Stone?” 

A célebre frase dita pelo empresário deles lá no começo dos anos 60, colocando a banda como verdadeira antítese dos Beatles no quesito rebeldia, poderia ter uma resposta afirmativa: “Sim, se fosse com Charlie Watts”. 

Trouxe o jazz para a maior banda de rock de todos os tempos, destacando-se no meio de 2 gênios na linha de frente, o que é impressionante. 

Gigante da música. Inesquecível e insubstituível.

David Calejja – Vocalista do Eclipse Oculto e Lick Stones

A gente sabe como o Rock nasceu, mas foi com o Stones que ele se manteve esse tempo todo. É impensável um mundo sem essa banda. Alguns tentam forçar a barra tentando comprar qual banda é melhor, Beatles ou Stones, mas pra quem é fã das duas sabe que não dá pra comparar, ambas fazem parte da mesma face da moeda. 

Vivemos numa época que nossos ídolos estão velhinhos, a gente sabe que a qualquer momento os gigantes nos deixaram. 

A gente só não sabia que o Lord Charlie Watts seria o próximo. Impecável como sempre, venceu um câncer anos atrás e mesmo no auge dos 80 anos excursionava pelo mundo a fora. 

Você consegue imaginar isso? Nós aqui com nosso 30, 40 ou até 50 reclamos de subir escadas e os caras fazendo show de 3 horas. 

É meus querido, o Charlie nos deixou, mas deixou junto seu legado, um legado de muita musicalidade, disciplina, educação e postura. Os Stones já anunciaram, a pedido do próprio Charlie, a banda segue com outro baterista escolhido a dedo pelo próprio, mas nós que idolatramos sentimos o vazio da genialidade desse ser: Charlie Watts.

Acompanhe o que artistas do mundo e Brasil falaram:

Paul McCartney

“Tão triste ouvir que o Charlie Watts, baterista dos Stones, morreu. Ele era um cara amável. Eu sabia que ele estava doente, mas não sabia que estava tão doente. Então muito amor para sua família, esposa e amigos e família estendida. E condolências para os Stones, foi um golpe enorme para eles, porque Charlie era uma rocha, um baterista fantástico, firme como uma rocha. Então, nós vamos sempre te amar, Charlie, um homem lindo. E muitas condolências para a família”.

Ringo Starr

“Deus abençoe Charlie Watts, nós vamos sentir sua falta, cara, paz e amor para a família. Ringo”.

Pete Townshend

“Lua cheia. Arco-íris. Sempre um sinal. Charlie Watts chorou no funeral de Keith Moon. Eu queria ser capaz dessas lágrimas hoje. Em vez disso, só quero dizer adeus. Não um baterista de rock, um baterista de jazz na verdade, e é por isso que os Stones balançavam com a banda de Basie!!! Um homem tão amável. Deus abençoe sua esposa e filha, e eu aposto que os cavalos vão sentir sua falta também”.

 

Elton John

“Um dia muito triste. Charlie Watts foi o baterista perfeito. O homem mais estiloso, e uma companhia brilhante. Minhas profundas condolências a Shirley, Seraphina e Charlotte. E, é claro, aos Rolling Stones”.

Brian Wilson

“Estou em choque ao ouvir sobre Charlie Watts. Não sei o que dizer. Me sinto terrível pela família de Charlie. Charlie era um grande baterista e eu amava a música dos Stones, eles fizeram grandes álbuns. Amor e misericórdia”.

John Mayer

“Economia de movimentos, resumo do ‘cool” Descanse em paz, Charlie Watts”.

Lenny Kravitz

“A batida dos Stones. Não há palavras, todos os grooves falam por si mesmos”.

Dave Davies (Kinks)

“Estou em choque total. Charlie Watts foi um cara adorável. Vamos sentir muito sua falta. Minha compaixão profunda para sua esposa, sua banda e sua família e amigos”

Paul Stanley (Kiss)

“Notícia péssima. Um dos verdadeiros e eternos ícones e a base dos Stones. Difícil compreender a perda. Tão triste”.

Liam Gallagher

“Descanse em paz, Charlie Watts’

Joan Jett

“Charlie Watts foi o mais elegante e digno baterista do rock and roll. Ele tocava exatamente o que era necessário – não mais – não menos. Ele é único”.

David Coverdale

“Um homem ótimo e talentoso… Ancorando uma das melhores bandas de rock da história… Mais uma alma linda… Obrigado, Charlie”

John Fogerty

“Vi os Rolling Stones pela primeira vez em 1966 em Bay Area e sou um fã desde então. Charlie Watts foi um dos grandes bateristas e vamos sentir sua falta. Descanse em paz, Charlie”.

João Barone

Não adianta a gente tentar se consolar com uma perda destas como a do Charlie Watts, os Stones são a coisa mais perto de um grupo de super-heróis de verdade, nos acostumaram com a ideia de que não morreriam nunca… daí vem a terrível realidade. Obrigado por tudo, Charlie. RIP…

Leo Jaime

Boa parte da alegria que tive na vida de alguma forma se relacionava com os Stones. Charlie Wats de devo muito. 

Marcelo Rubens Paiva

“Tem baterista que puxa a banda, como John Bonham. Tem baterista que é o vagão de primeira-classe, como Ringo. E tem o vagão restaurante. Charles Watts alimentava a banda” Evandro Mesquita

R.I.P. Charlie Watts👏🏿👏🏿👏🏿👏🏿👏🏿👏🏿👏🏿👏🏿👏🏿👏🏿👏🏿 obrigado pelos maravilhosos momentos na minha vida desde adolescência 🙏🏼🙏🏼🙏🏼

Frejat 

Charlie Watts era um baterista de uma estirpe rara.

Ele tocava para as canções e cada nuance de suas performances era para dar suporte musical e conceitual ao que estava sendo cantado. Seu conhecimento da história da música negra permitia que usando da máxima “menos é mais” ele desse magia a cada uma de suas atuações por décadas .

Além disso, com sua elegância e discrição se tornou o mais nobre de todos os Stones. Me emociono ao lembrar que nos momentos de sua apresentação nos shows da banda ele era o mais aplaudido pela plateia, um carinho construído em silêncio.

Que ele vá em paz por um caminho de luz

Quando o Rolling Stones completou 50 anos, em 2.012, fiz uma matéria com uma galera de Jaú para saber das preferências da banda. Acompanhe abaixo

CLIQUE AQUI

Acompanhe algumas curiosidades de Charlie tirada do facebook do David Callejja:

– Foi o primeiro Stone a pisar no Brasil. Veio tirar férias. Depois avisou o Jagger e Richards que vieram na sequência.

– 03 anos antes do primeiro show dos Stones no Brasil, em 92 o Charlie se apresentou com sua banda de Jazz.

– Ele era responsável pelo design dos shows e dos palcos.

– Era muito atualizado, conhecia muitas bandas novas, e era ele que apresentava para os outros integrantes as novidades.

– Já deu um soco na cara do Jagger porque o próprio o chamou de “meu baterista”.

– Apesar de toda elegância e educação o Watts teve um período conturbado com vício em heroína. Durou pouco.

– Colecionava carros mas na sabia dirigir.

– Odiava dar entrevistas.

– Mesmo com todo sucesso foi casado com a mesma e única mulher.

R.I.P. CHARLIE WATTS

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email
Share on print