Blog do Moraes

RÁPIDAS E RASTEIRAS DO BLOG – Edição nº5

Notícias Culturais de Jahu
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Circênico Saltimbancos – Caçambaria – Vejau Rock ´n GOl 20 anos – Som ao vivo em Bares e Casas – Virada Virtual Literocupa – Novos Escritores (Kleber e Hector) - Niede O Filme – Chiquinho Brandão – Autora de Sinhá Moça é jauense

FESTIVAL CIRCÊNICO – OS SALTIMBANCOS

O Circênico prepara seu festival anual. O tema deste ano são os Saltimbancos!

O festival será do dia 30/10 até 28/11 de novembro no Parque do Rio Jahu.  Todos os dias serão as 19 horas com público restrito a 100 pessoas.  Na venda de cada ingresso, outro será doado às crianças e famílias de baixa renda. 

Se liga post e no vídeo com as informações:

O Circênico surgiu em 2004 com o objetivo de possibilitar às pessoas o fazer artístico e reuniu assim artistas de diferentes grupos com diversas experiências. A partir daí iniciou-se um trabalho de treinamento, pesquisa e produção referentes às artes cênicas. Além de produzir apresentações artísticas, a entidade administra um espaço onde é responsável por oficinas ligadas à arte.  O Circênico trabalha unindo três segmentos: pesquisa e produção em arte e educação, inclusão sociocultural e responsabilidade social. Em outubro tem post individual contando falando sobre detalhes do Festival!

CAÇAMBARIA #EUPASSARINHO

O projeto #Eu Passarinho da Caçambaria é finalista do Coletivo Natural. O projeto de Feira Cultural é a realização de feiras de artesanato e economia criativa, apresentações musicais e a criação de uma Biblioteca Comunitária no espaço localizado na Vila Nova.
A Caçambaria já transformou longos desses anos mais de 60 toneladas de resíduos sólidos em móveis e peças de decoração artesanais é capitaneada pela Carolina Panini, Secretário de Cultura e Turismo de 2018 a 2020.

Para ajudar na realização do projeto em Jaú, basta entrar no link e colocar @Caçambaria projeto #EuPassarinho.

Clique aqui e vote no projeto

VEJAU ROCK ´N GOL 20 ANOS

O Blog está em fase de preparação de um post comemorativo dos 20 anos do primeiro Vejau Rock ´n Gol.

Todas as férias de janeiro e julho acontecia o Vejau Rock ´n Gol. A regra era “Quem perde vai para o palco”. Houve edição com mais de 30 bandas da cidade. Tinha fase de grupos, mata-mata. Já teve até critério de desempate com embaixadinha. Eita tempo bão! Vejau era massa demais. No Rock ´n Gol, foi a última vez que fiz um gol profissionalmente! Silêncio…

SOM AO VIVO NOS BARES E CASAS NOTURNAS

Fazendo a agenda do Jauclick, com a flexibilização do Governo Municipal  e melhor dos casos da pandemia na cidade, os bares e casas estão investindo de novo no som ao vivo.

Fica ligado na agenda do Jauclick que você acompanha toda a programação do Barban, Jimmi, Divino Boteco, Omega Lounge, Grevillea Arena Lounge, River Side, Cravo & Canela, Seu Armando Botequim, Heir Beer, entre outros…

Clica no link para acompanhar a agenda e lá embaixo tem um formulário para você colocar o seu evento.

https://jauclick.com/agenda/

VIRADA VIRTUAL LITEROCUPA

O Literocupa, coletivo de poesia da cidade, completa 5 anos de existência este ano.

Para isto, o Coletivo prepara três dias de evento online, confira abaixo. Informações retiradas do próprio facebook do Literocupa:

*Na sexta, dia 17/09, tem a Roda de Conversa “A Leitura como ferramenta de transformação social: Bibliotecas em espaços de restrição e privação de liberdade”, com: Cátia Lindemann, presidenta da Comissão Nacional de Bibliotecas Prisionais, e o Antônio Vendrame Filho, proprietário da Casa Vamos Ler. A mediação será feita pela Tamires Frasson, educadora e idealizadora do Coletivo.

*No sábado, dia 18/09, às 17h, vai rolar o  sarau “A Poesia Salva”, com poetxs convidadxs, e será pelo Google Meet, transmitido em nossa página do facebook. Caso queira participar do Sarau, entre em contato  inbox ou pelo whatsapp (14) 99609-7344, que disponibilizamos o link para participação.

*E no domingo, dia 19/09, para encerrar as comemorações, é a nossa live musical! A partir das 16h estaremos ao vivo no Facebook, diretamente do palco do Vitrolê Cultural, com apresentações dos músicos: Muringa, Rabelo, Petrilli, Lucas Marangoni e Adriano Milani.

Há quinze dias, fizemos uma entrevista com a idealizadora do Literocupa, Tamires Frasson.

Confira aqui

NOVOS ESCRITORES DE JAU – KLEBER E HECTOR

Acompanhando a internet, pipocando novos escritores na cidade. Uma nova geração lançando livros.

Como noticiado pelo Jauclick, Kleber Amaral lançou seu livro segunda-feira o Pensamentos que não calam

Em agosto, o arquiteto Hector Leandronic lançou o livro A Batalha do Monte Dourado.  O livro é livremente inspirado na música do Guns ´N Roses – “Aint it Fun” e livros de faroeste.

“Uma família conhecida por fazer bebidas ilegais, descobre ouro nas margens de um rio próximo a cidade de Monte Dourado. Mas não muito longe dali, vive também uma tribo indígena que cuida do local e impede que a família garimpe. No meio desse impasse, uma gangue de ladrões de trem chega a cidade para causar mais problemas e meter o dedo nesse ouro, forçando (ou não) uma aliança entre os lados. E claro, para não faltar, um romance proibido nasce no meio dessa luta toda.” (Trecho retirado da matéria sobre o livro no site Solutudo).

Quem quiser adquirir o livro, clique aqui

NIEDE – O FILME ESTRÉIA NA CHINA

O filme Niède – documentário sobre a jornada da arqueóloga jauense Niède Guidon – teve sua estreia internacional no 9 Beijing International Scientific Film Festival no começo de setembro. O filme também será apresentado em escolas, museus, universidades da China.

O documentário é um longa metragem sobre a jornada da arqueóloga que revelou ao mundo as pinturas rupestres do Sul do Piauí e determinou mudanças fundamentais na história da chegada do homem ao continente americano.  Niede Guidon nasceu em Jaú no ano de 1.933.

Daquele leque de ilustres jauenses que a maioria das pessoas não sabem que são daqui como Hilda Hilst, David Nasser e mais dois que estão aí abaixo…

FALANDO EM JAUENSE ILUSTRE – CHIQUINHO BRANDÃO

Passou despercebido, mas em 2021, faz 30 anos que o jauense Chiquinho Brandão morreu.

Chiquinho nasceu também em Jaú e mudou para o Rio de Janeiro na adolescência.

Foi o Professor Parapopó no Bambalalão e trabalhou em produções da Globo como Top Model, Bebe a Bordo, Riacho Doce, Sorriso do Lagarto.

A carreira inteira dele e as raízes com Jaú foram repassadas aqui nesse post no antigo blog: CLIQUE AQUI

AUTORA DE SINHÁ MOÇA É JAUENSE

Acabei de descobrir através do facebook do Vicente Bié que a autora Maria Camila Dezonne Pacheco de Oliveira Fernandes do romance Sinhá Moça é jauense. Deu até vergonha de não saber disso antes. Relaxo total.

Acompanhe o post do Bié na íntegra:

JAHU E A AVANT PREMIÈRE DE “SINHÁ MOÇA”

“Sinhá Moça” é o título de um romance brasileiro escrito em 1949, tendo sua primeira edição publicada em 1950.

A autora desta obra, Maria Camila Dezonne Pacheco de Oliveira Fernandes, nasceu no Jahu em 18 de dezembro de 1910. Dona Mariazinha foi fazendeira, poeta, romancista e jornalista. Com três anos de idade, sua família mudou-se para o Rio de Janeiro, onde estudou até completar o curso colegial no Colégio Silvio Leite. Aos 19 mudou-se para São Paulo. Depois de Casada, além de São Paulo, residiu nas cidades do Recife, de Porto Alegre e, a partir de 1969, em Campinas, vindo a falecer na Capital paulista em março de 1998.

Dona Mariazinha contou que, uma vez, um de seus professores do Colegial a elogiou por escrever muito bem, mas a advertiu que não seguisse a carreira de escritora porque no Brasil só se dava valor para Letras de Câmbio. Todavia, ela não levou em conta este conselho, vindo posteriormente a escrever quatro romances e inúmeras crônicas em jornais de São Paulo, Santos, Porto Alegre e Campinas.

Segundo Dona Mariazinha, “Sinhá Moça” foi o primeiro romance brasileiro que tratou da escravidão e da abolição no país.

Com a estreia, em 1940, do filme “Gone with the Wind” (“E o Vento Levou”, em Português) nas milhares de salas de cinema dos E.U.A., vencedor de oito prêmios no Oscar do mesmo ano, o fundador e diretor-presidente da empresa paulista, Companhia Cinematográfica Vera Cruz, o italiano Franco Zampari, fiou-se na ideia de filmar uma história sobre a escravatura no Brasil à moda de Hollywood, indo à procura de uma obra literária à altura. Logo encontrou Sinhá Moça. Por conseguinte, um time de respeito foi formado, a começar pelos roteiristas e co-roteiristas, a saber: Guilherme de Almeida, Oswaldo Sampaio, Tom Payne, além da autora do livro, a nossa querida jahuense Maria Dezonne Pacheco Fernandes.

A direção da película coube ao argentino, Tom Payne, que aos 16 anos passou a viver na Inglaterra, onde estudou cinema. Foi trazido ao Brasil pelo cineasta carioca Alberto de Almeida Cavalcanti. Para cameraman e a direção de fotografia foram respectivamente escolhidos os britânicos Jack Lowin e Ray Sturgess, este último integrante da fita “Hamlet”, estrelada por Lawrence Olivier, a primeira britânica a ganhar o Oscar. A Produção ficou a cargo de Edgar Baptista Pereira, a cenografia ficou por incumbência de João Maria dos Santos e a trilha sonora por conta do músico, regente e compositor ítalo paulistano Francisco Mignone.

As filmagens do longa-metragem “Sinhá Moça” tiveram início, em 1952, numa chácara em São Paulo e numa fazenda próxima à cidade paulista de Salto. Em maio de 1953, Jahu foi a cidade escolhida para a Avant Première do filme no Brasil, com a presença, no Cine Jaú, de vários dos principais atores: Anselmo Duarte, Ruth de Souza, Marisa Prado, Lima Neto, Virgínia Ferreira de Camargo e a protagonista Eliane Lage, então esposa de Tom Payne, nascida em Paris e trazida pequenina ao Brasil pelo pai brasileiro e mãe britânica.

Houve ainda duas adaptações para telenovelas da Rede Globo, uma, de 1986 (com Lucélia Santos, Marcos Paulo e Rubens de Falco), e um remake em 2006 (com Débora Falabella, Osmar Prado, Zezé Motta, entre outros).

Em 1954, o filme ganhou uma sequência de prêmios internacionais, sendo os mais destacados o Leão de Bronze no Festival Internacional de Arte Cinematográfica de Veneza, o Urso de Prata no Festival de Berlim e o Melhor Filme pelo tema social no Festival de Havana.]

Até o próximo Rápidas e Rasteiras!!