Blog do Moraes

BLOG DO MORAES – REMASTERED – 8 DOCS SOBRE MÚSICA E AFINS…

No post da semana, Mora deixa umas dicas e Remastered ganha destaque
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Como é sabido, além da pandemia, o tratamento de saúde em que estou passando me permitiu ficar bastante em casa. Com isso, acabei assistindo bastante coisa nos streamings. Mais filmes e documentários do que séries por si só.

Um dos mais interessantes que vi foi uma série de docs na Netflix chamado REMASTERED. Algumas pessoas devem conhecer, mas eu não conhecia. E achei muito bom.

São oito filmes em que o tema principal é a música. Mas em todos são levados a assuntos como política, racismo, assassinato, crimes não resolvidos etc…

As histórias se passam em vários países (EUA, Jamaica, Irlanda, África do Sul, Chile) e abordam vários estilos musicais, ídolos e ícones mundiais e até artistas e grupos que eu nem sabia que existia.  São filmes curtos de 50 a 70 minutos.  

WHO SHOT THE SHERIFF - A HISTÓRIA DE BOB MARLEY

Who shot the Sheriff?  conta a história do atentado na Jamaica contra Bob Marley nos anos 70.

O filme aborda toda a história de Bob Marley, a importância dele para a Jamaica, retrata todo o momento político do país nos anos 70. Momentos bem obscuros e sangrentos, alias. O papel dos EUA e a Cia tendo com o pano de fundo a Guerra Fria e o medo do Tio Sam em que a Jamaica se transformasse numa nova Cuba. O contexto histórico é muito bom.

E claro o tema central é o atentado sofrido por Marley em dezembro de 1.976, dois dias antes em que o artista faria um show na capital da Jamaica.  Dois dias depois do ataque, ainda com curativos no peito e no braço, Marley se apresentou por mais de uma hora diante de mais de 80 mil pessoas no concerto Smile Jamaica.

Marley morreu precocemente, com 36 anos, de câncer. O seu legado perdura até hoje e seu status de ídolo é comparado ao dos Beatles, Elvis Presley e assim vai…

“Meu lar é sempre onde estou. Meu lar está na minha mente. Meu lar são meus pensamentos.” Bob Marley

NIXON E O HOMEM DE PRETO

Nixon e o Homem de Preto conta a história de Johnny Cash desde sua infância até a consagração.  Mas o tema central é como o presidente Nixon tentou usar o cantor como figura de propaganda para a Guerra do Vietnã promovendo um show na Casa Branca de Cash no começo da década 70.

Johnny Cash era um cantor e compositor que representava todo o interior dos EUA. Mesmo enfrentado problemas com drogas e álcool, Cash gozava de prestígio na América e foi convidado por Nixon e sua cúpula para se apresentar na Casa Branca.

O presidente precisava de uma boa propaganda para manter as suas ideias armamentistas no tocante a Guerra do Vietnã e segundo o filme, tentava usar o prestígio de Johnny Cash. Mas para isso tentou dirigir e roteirizar o show até tentando escolher algumas músicas anti- movimentos hippies como Okie from Muskogee.

O show se realizou em abril de 1.970 e o tiro da Casa Branca saiu pela culatra. Coincidência ou não, após esta passagem, houve uma derrocada de Nixon e o envolvimento no Caso Watergate que para não sofrer impeachment renunciou ao cargo, sendo o único presidente americano a fazer isso.

Após quase cinco décadas de carreira, Cash morreu em 2.003, quatro meses a morte do seu grande amor June Carter.

“Todos que eu conheço vão embora no final” J Cash

AS DUAS MORTES DE SAM COOKE

Sam Cooke foi um dos maiores cantores dos EUA de todos os tempos. E um dos maiores nomes que lutaram contra o racismo e a segregação na América do Norte.

As Duas Mortes de Sam Cooke conta a história do lendário músico de soul dos EUA Sam Cooke e trata da morte do ser humano e a tentativa de manchar todo o seu legado através de várias teorias. 

Sam foi um dos primeiros cantores negros a cuidar de sua própria carreira, tendo sua própria gravadora e produtora.

O doc tem depoimentos históricos de lendas da música americana como Quincy Jones e Dionne Warwick, faz um apanhado geral do racismo nos EUA desde os anos 30 até os anos 60 até o ano em que Sam foi assassinado. A morte ainda é um mistério.

Nesta onda, vale citar dois filmes em que assisti no Prime Video, Uma Noite em Miami que é o encontro histórico entre Sam Cooke, o pugilista   Cassius Clay, o ativista negro Malcom X  e o jogador de futebol americano Jim Brown. O encontro é fictício, mas retrata bem a época que antecede o assassinato de Sam Cooke. O outro filme é EUA vs Billie Holiday, uma cinebiografia de uma das mais cantoras da história do mundo e como o FBI a perseguiu nos últimos 20 anos da sua vida. A perseguição começa quando Billie faz sua versão para Strange Fruit, música de protesto contra o linchamento de negros nos EUA nos anos 30. História real, triste e muito atual!

Tem sido muito difícil viver, mas eu tenho medo de morrer, porque eu não sei o que há la em cima, além do céu” Sam Cooke –

O REI LEÃO E O MÚSICO ESQUECIDO

Quem nunca ouviu a música Lion Sleep Tonight do Rei Leão? Auiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii , aumiaue  aumiaue…

O Rei Leão e o Músico Esquecido conta a história por traz do compositor do Lion Sleep Tonight do Rei Leão.  A composição é da África do Sul e é de Solomon Linda dos anos 30.

O doc mostra com os americanos tomaram posse no decorrer das décadas, fala sobrea luta do jornalista Rian Malan para tentar provar e retomar os direitos autorais da música e devolvê-la a família do compositor Solomon. Na verdade Rian em 1.990 descobriu a autoria da música e constatou que a família do compositor vivia em estado de pobreza.

Só um prólogozinho, a música original se chama Mbube e foi escrita por Solomon Linda, um homem do povo Zulu e criou as melodias tão famosas. A gravação chegou em Nova York nos anos 50 pelo grupo Weavers, passou por vários artistas e chegou no cinema pelo Rei Leão.

O documentário retrata a luta do jornalista, depoimentos da família de Solomon, vídeos com as versões das músicas e o embate jurídico com o Estúdio Disney. Bem interessante.

O MASSSACRE DO ESTÁDIO – A VIDA DE VICTOR JARA

A vida de Victor Jara e o Massacre do Estádio é uma das histórias mais impactantes desta série Remastered. Principalmente para mim que nunca tinha ouvido falar neste artista.  Na minha opinião, o melhor.

O filme conta o período do golpe militar do Chile em 1.973 e a morte de várias pessoas no Estádio Nacional de Chile dentre eles o músico Victor Jara. O doc conta a história do músico,   a história da ditadura do Pinochet, da tomada do poder do ditador frente ao governo de Salvador Allende  e a luta incessante da esposa Joan Jara  para achar o real assassino do marido.

Aliás, o doc. retrata bem a ditadura do Cone Sul em que pertencia Chile – Brasil – Argentina – Uruguai – Paraguai. E para quem acha que ditadura não existiu dá uma olhada nesse doc e tenta digitar no google Ditadura Cone Sul – Operação Condor – etc…

“Levanta e olha a montanha
De onde vem o vento, o sol e a água
Tu que conduz o curso dos rios
Tu que semeaste o voo da tua alma
Levanta e olha tuas mãos
Para crescer, estenda à teu irmão
Juntos iremos unidos no sangue
Hoje é o tempo que pode ser o amanhã
Libertemo-nos de aquele que nos domina
Na miséria traga-nos o teu reino de justiça
E igualdade sopra como o vento a flor do precipício”

Victor Jara

O DIABO NA ENCRUZILHADA - A HISTÓRIA DE ROBERT JHONSON

O diabo na encruzilhada conta a história de Robert Jhonson, sua breve, mas intensa carreira.

O doc repassa sua vida cheia de sofrimento e tragédia e conta a história da real possibilidade Robert ter vendido a alma ao diabo na encruzilhada. E claro que o filme repassa a curta carreira do pai do blues. Curta e intensa. Como o músico morreu em 1938, os registros são precários quase inexistentes e misteriosos. Ninguém sabe a causa mortis. Se foi sífilis, em decorrência do álcool ou até por envenenamento por marido traído.

Robert morreu com 27 anos. Na verdade, o músico inaugurou o Clube dos 27 em que participam Brian Jones do Rolling Stones, Jimmi Hendrix, Jim Morrisson, Janis Joplin, Kurt Cobain, Amy Winehouse, entre outros.

“O próprio cantor deu ainda mais amplitude ao mito quando lançou a canção Me and the devil blues (Eu e o demônio blues), em 1938, ano em que morreu. A canção narra um suposto encontro que ele teve com o demônio e diz:

“Eu disse Olá, Satan, acho que está na hora de ir’. Eu e o diabo estávamos andando lado a lado. (…) Baby, não ligo onde você vai enterrar meu corpo quando tiver partido e estiver morto. Você pode enterrar meu corpo lá embaixo na beira da estrada. E então meu velho espírito maligno pode pegar um ônibus da Greyhound e pilotar”. (site www.negre.com.br)

QUEM MATOU JAM MASTER JAY

Quem matou Jam Master Jay?  Assassinato do d.j. do Run DMC e um crime ainda não solucionado.

O filme percorre a história do hip-hop, do Run DMC, das raízes de Jam Master Jay e da importância do D.J. para a cena do rap e para toda a sua comunidade.

E basicamente a procura do assassino do rapper, através dos seus amigos e familiares e como os crimes relacionados com cantores de hip-hop e rap geralmente não são solucionados.

O MASSACRE DE MIAMI BAND SHOW

Por último, uma história e banda que nunca tinha ouvido falar – O Massacre de Miami Band Show.

Miami Band Show era um grupo irlândes dos anos 70,  considerado o Beatles da Irlanda. Em meio aos conflitos da Irlanda e Reino Unido, Ira, UFS  etc… o Miami Band Show foi alvo de um atentado terrorista em 1.975 em que três de seus integrantes morreram.

O doc percorre a trajetória da banda, os conflitos na Irlanda e o envolvimento forte do governo britânico nos atentados e a morte de três músicos da banda inocentes sem envolvimento político nenhum. Injustiça total.

“Era um dia comum na vida dos músicos, que estavam voltando para casa após uma apresentação, quando um encontro com uma milícia local mudou tudo” (www.aventurasnahistoria.uol.com.br)

“O assassinato deles foi uma atrocidade que teve um impacto profundo em todos nesta ilha. É lembrado com tristeza até hoje. Nós nos lembramos da afeição que as pessoas de toda a Irlanda tinham por eles. Sua popularidade ultrapassou todas as fronteiras e todas as tradições. Eles simplesmente queriam entreter todos que amavam a música. Em uma época sombria, eles foram uma luz brilhante para muitos.” Bertie Ahern, primeiro ministro Irlanda – 2007

 

Analisando friamente, todos os documentários são bem interessantes, tem o escopo da música, de movimentos sociais de cada localidade, da personalidade de cada artista envolvido mas na verdade qual deixa mais de boca aberta, tipo O loco mai que é porra essa? é o do Miami Band Show.

O Marley com suas mensagens de paz e sua posição política incomodava alguém, o mote do Cash x Nixon também é de fácil compreensão, Sam Cooke tinha a bandeira do racismo que incomodava muita gente, o do Rei Leão é um assunto peculiar, está claro que Victor Jara foi morto pela ditadura chilena e o questionamento é por qual representante do governo, Jam Master Jay tem o mote de crimes não solucionados do hip-hop, as opçõe da morte do Robert Jhonson são todas plausíveis, enfim, todos esses acima existem dúvidas, mistérios, investigações a serem concluídas, mas a delimitação da conclusão de tudo vem com mais certeza e compreensão.

Mas vendo o filme Massacre de Miami Band Show você sai boquiaberto com a falta de motivo do atentado que culminou na morte dos três integrantes da banda. Não existe compreensão nenhuma no ocorrido.

Mas todos de algum modo são muito interessantes! Até o próximo post!