Blog do Moraes

Blog do Moraes – CAOSTROPI LANÇA HOJE O CD BRUTALIDADE JARDIM

Blog bate um papo com Ricardo Cezário da banda
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Hoje, no primeiro dia de outubro, a Banda Caostropi lança no youtube e em todas as plataformas digitais  seu primeiro cd – Brutalidade Jardim.

Conforme informações da assessoria da banda, o Caostropi é um quinteto do interior paulista que retrata em sua paisagem sonora uma acidez típica dos trópicos, onde contradições cotidianas são embaladas delicadamente em texturas, reverberações e ritmos que transpõem o ancestral em linguagem contemporânea.

De elementos percussivos sobrepostos em ruídos rompem com um pretenso rock alternativo tropical, tomando liberdade para experimentalismos no ambiente de pesquisa criativa que acompanha a formatação da banda.

Formada em 2.019, o Caostropi tem três jauenses, Rafael Ferrucci na guitarra e vocal, Ricardo Cezário na guitarra/sampler e Vitinho Martins na bateria. Se juntam aos “ jauínos” Vinicius Kirbi de Franca que comanda viola, percussão e sintetizadores e o campineiro Rodrigo Padula no contrabaixo.

Para situar a galera de Jaú, Rafa Ferrucci é o guitarrista e compositor do Psiconauta, Ricardo e Vitinho são integrantes da banda instrumental Mais Valia.

Vale lembrar que o Mais Valia e agora a recente Caostropi são bandas predominantemente focadas no som autoral. O Psiconauta tem em seus shows covers, mas o foco recente da banda são suas músicas próprias.

Voltando ao Caostropi, sobre as faixas do cd Brutalidade Jardim a banda discorre que a  obra se apresenta e tece a atmosfera daquilo que se tem em vista dos membros ao trazer uma experiência sensorial capaz de causar a reflexão das contradições cotidianas tropicais em seu estado bruto, assim, não à toa  as melodias surgem de forma familiar, pois atingem uma colagem de sonoridades única que se alinham às múltiplas personas a quem os versos se direcionam.

Nessa toada de informação, o Blog bateu um papo rápido com Ricardo Cezario, guitarrista do quinteto.

Moraes: Fala Ricardo, tudo certo? Fala para blog como foi o encontro e formação da banda.

Ricardo: Rafael mostrou as ideias de alguns sons no violão, a partir daí instigamos de formar uma banda com liberdade criativa pra arranjar, produzir e gravar as músicas. O trampo é resultado de um processo em busca da autossuficiência produtiva, foi todo produzido e gravado por nós mesmos, tanto individualmente (cada um na sua casa) quanto em ocasiões especiais onde nos encontrávamos pra experimentar e compartilhar ideias.

M: Com foi a  concepção sonora das faixas do cd?

R: Em nenhum momento combinamos influências explícitas entre nós, a ideia sempre foi a de que a soma do coletivo criasse uma variável inédita e uníssona, onde cada um pudesse trazer sua pesquisa e expressões em relação a ideia central. Por isso foi vital cantar em português, com liberdade pra poesia e crueza narrativa sem tarjas, experimentamos com viola caipira e sintetizadores, acordes maiores e ruídos atonais, contradições pós modernas na periferia global.

M: Após o lançamento do cd, quais são os objetivos e projetos futuros?

R: Queremos estreitar laços com pessoas que se conectem com o trabalho, encontrar maneiras efetivas de difusão para que possamos rodar com essas músicas e multiplicar a energia aplicada no processo. Obviamente o contexto político, econômico e social é muito triste, isso faz com que sejamos desafiados a buscar formas distintas de viabilizar as manifestações artísticas em tempos de guerra contra a verdade. Não precisava ser assim, mas a cultura alternativa sempre enfrentou adversidades e é especialista em lutar e resistir. Queremos oferecer uma experiência provocativa pro ouvinte, tomamos conta do processo visual do trabalho com tanto cuidado quanto o sonoro, então fica a dica pra quem quiser mergulhar nos conteúdos, a ideia é levar essa psicodelia visual interativa para as apresentações ao vivo.

É isso ai, mais uma produção quase inteira jauense eheheh.

Vida longa ao Caostropi!!

Ouça o cd Brutalidade Jardim inteiro:

Singles já lançados

BRUTALIDADE JARDIM – O QUINTAL NA PORTA DA ENTRADA DO CAOSTROPI

Assessoria – Caostropi

Em um vislumbre amplo dos lapsos sociais presentes no Cone Sul, a CAOSTROPI chega com seu álbum de estreia ‘Brutalidade Jardim’ na próxima sexta (01/10), pairando sob um horizonte que retrata em sua paisagem sonora uma acidez típica dos trópicos.

Após percorrerem pelos singles Dia do Fogo, Ruína e Panorama do Pio dos Pássaros, canções acompanhadas de clipes que trilham um só espectro, e que a partir de elementos   b brasileiríssimos sobrepostos em ruídos, rompem com um pretenso rock alternativo tropical, tomando assim a liberdade do experimentalismo no ambiente de pesquisa criativa que acompanha o propósito da banda.

Criada ao final de 2019, a banda paulista CAOSTROPI se funda em um momento em que a sociedade se viu diante de um distanciamento social, o que agravou de forma direta os vales das desigualdades, perspectiva esta que despertou nesse encontro de frequências a atenção aos atravessamentos urbanos, que após internalizado, se manifestou em uma só voz daquilo que chega ao peito.

Ao longo de 7 faixas, a obra se apresenta e tece a atmosfera daquilo que se tem em vista dos membros ao trazer uma experiência sensorial capaz de causar a reflexão das contradições cotidianas tropicais em seu estado bruto, assim, não à toa as melodias surgem de forma familiar, pois atingem uma colagem de sonoridades única que se alinham às múltiplas personas a quem os versos se direcionam.

‘Brutalidade Jardim’ abre os caminhos e envolve com sólida mensagem, em uma semiótica artística de colagem que extravasa o campo sonoro e abrange também a experiência visual, um convite a brindar a resistência da expressão  popular enquanto se acompanha o poder ruir!

FICHA TÉCNICA BRUTALIDADE JARDIM

Rafael Ferrucci: Guitarra/vocal
Ricardo Cezario: Guitarra/sampler/soundesign
Rodrigo Padula: Baixo
Vinicius Kirby: Percussão/viola/sintetizadores
Vitor Martins: Bateria

Produção Executiva: Raul Domingos
Mixagem: Wolf Gadelha/Toca do Lobo Records, exceto ‘Dia do Fogo’ e ‘Ruína’: Diego Fadul
Masterização: Wolf Gadelha
Arte da capa: Bárbara Massuela
Contato: caostropi@gmail.com